Para manter a boa convivência em um condomínio é preciso estabelecer regras em comum para os moradores. Por isso, existe a convenção do condomínio. Nada mais é do que um documento no qual relata como o condomínio será administrado.

Um bom síndico deve preocupar com o bem-estar dos condôminos e zelar por todas as regras estabelecidas na convenção. Lá estará relatada, por exemplo, o valor das contribuições que os moradores devem pagar para as despesas de manutenção e infraestrutura. O documento também aponta o que pode ser definido nas assembleias, suas regras de convocação e o quórum mínimo para deliberação.

Muitas são as regras que servem para organizar a vida condominial. A convenção de condomínio é o documento que reúne todas elas. Além disso, a convenção também pode conter o regimento interno, que agrupa regras mais básicas de convivência, como as questões relacionadas a vagas de garagem, uso da piscina e salão de festas. A convenção, por sua vez, possui informações relacionadas a administração condominial.

A seguir, vamos falar como criar a convenção do seu condomínio e como ela é prevista por lei.

Lei do Condomínio: O que é preciso saber?

Convenção de condomínio: veja como elaborar a sua

Uma convenção de condomínio é conduzida por diferentes fontes de regras e níveis de poder. Ela deve ser guiada pelas leis estabelecidas na constituição.

Agora que as normas ficaram mais claras, é só lembrar de sempre estar atento ao Código Civil e à Lei do Condomínio na hora de elaborar o Regimento e Convenção. Não esqueça de registrar tudo em cartório e lembrar todos os condôminos da existência desses documentos imprescindíveis!

Código Civil (Lei do Condomínio)

É superior frente às demais regras, que devem ser pautadas a partir dele. Possui 44 artigos destinados à legislação para condomínios, regulando casos de inadimplência, descumprimento de normas, dentre outras.

A Lei nº 4.591/64,  Lei do Condomínio, que já teve superioridade em comparação às outras medidas, tornou-se secundária após os 44 artigos do Código Civil. Ainda abrange direitos, deveres e condutas a serem respeitadas, mas em sua maioria, o Código Civil também abarca, e quando há conflitos, o Código que predomina.

Convenção do Condomínio

É particular de cada condomínio e obrigatória, detalhando regras a realidade do ambiente, e deve ser seguida por todos os condôminos. Define itens como quota proporcional e o modo de pagamento dos condôminos, fundo-de-reserva, forma de administração, competência das assembleias, e afins. A Convenção do Condomínio deve ser respeitada sob pena de multas.

Para a elaboração da convenção, é interessante ter auxílio de um advogado ou conhecedor da legislação imobiliária, pois caso as regras contradigam o código civil, a Convenção não terá validade.

Regimento Interno

É feita pelos próprios condôminos, com a necessidade de aprovação da maioria dos moradores. Deve ser parte integrante da convenção do condomínio e registrada em cartório.

Não é obrigatório, mas torna-se importante para esclarecimento de regras internas, como a utilização dos espaços comuns, por exemplo.

Assembleias

As assembleias têm obrigatoriedade de acontecer, no mínimo, uma vez ao ano, e tem a finalidade de promover discussões, alinhamento e realização de votações. É um espaço para aprovar o orçamento das despesas, as contribuições dos condôminos e a prestação de contas, e eventualmente eleger o síndico.

Nas assembleias, é possível atualizar/alterar a Convenção e o Regimento Interno, desde que seja aprovado com o quorum mínimo de ⅔ dos condôminos para a Convenção, mas sempre respeitando as leis superiores do Código Civil e Lei do Condomínio.

O que deve conter na convenção do condomínio?

o-que-deve-conter-na-convencao-do-condominio

Para elaborar a convenção do seu condomínio, alguns critérios importantes devem ser levados em consideração. A seguir, vamos listar alguns deles:

Funções do síndico

  • O documento define as funções e deveres inerentes ao síndico conforme estabelecido no Código Civil.
  • Remuneração do síndico ou isenção de quotas ordinárias

Administração

  • O modelo de administração do condomínio é determinado na convenção.
  • Estará descrita também a forma e quórum para destituição do síndico, subsíndico ou conselheiro

Penalizações

Se algum morador descumprir seu dever condominial, provavelmente será cobrado por multa e juros de inadimplência. O síndico tem a função de aplicá-la e a convenção estabelece o percentual dos mesmos. Portanto a convenção deve conter:

  • Regras a respeito da cobrança dos inadimplentes
  • Detalhes sobre a multa e juros de inadimplência
  • Regras válidas para o protesto de cotas vencidas
  • Prazos para entrar com ações judiciais
  • Explicitar casos em que um condômino pode ser multado sem prévia advertência

Orçamento e Rateio

  • Determina o modo de divisão das despesas, ou seja, como será o pagamento pelos condôminos para cobrir as despesas de manutenção e demais contas do condomínio

Diretoria

  • Determina quais os papeis integrarão a diretoria ou conselho do condomínio. Geralmente, composta por um síndico, um subsíndico, um zelador e os conselheiros fiscais

Descrição dos prédios

  • Estipula a usabilidade dos prédios, que podem ser habitacionais, comerciais e até culturais
  • Discrimina as partes de propriedade exclusiva e as de condomínio, com especificações das diferentes áreas (como medição das áreas em relação ao terreno)

Estrutura

  • Informa sobre a realização de obras estruturais, de manutenção ou qualquer contratação de serviço para melhorias de infraestrutura do condomínio

Itens coletivos

  • Determina o modo de uso dos itens coletivos e serviços comuns aos condôminos

Assembleias

  • Detalha os diferentes tipos de assembleia de um condomínio, como a assembleia ordinária, que ocorre anualmente e serve para apresentação da prestação de contas e previsão orçamentária do próximo ano
  • Explicita o número máximo de procurações que um mesmo procurador pode apresentar em assembleia
  • Determina a obrigatoriedade ou não de firma reconhecida nas procurações
  • Regras de convocação de assembleia

Como a convenção de condomínio é aplicada?

Todas as regras da convenção de condomínio devem ser respeitadas pelos moradores e pelo síndico, que deve ser seu principal defensor e guardião. Cada condomínio pode estipular suas regras, desde que elas não desrespeitem as leis do Código Civil, assim que iniciada a ocupação dos imóveis.

Depois de assinada por pelo menos dois terços dos proprietários, a convenção estará em vigor. Assim que ela passa a existir, podem começar as cobranças relacionadas às despesas do condomínio, bem como a exigência das outras determinações da convenção.

Nos casos em que o regimento interno estiver inserido na convenção, ele passa a ter vigor simultâneo a ela. Caso seja um documento separado, o regimento precisa ser registrado no Cartório de Títulos e Documentos.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: